Previsão de cargas de um circuito de acordo com a NBR5410

Iluminação, Tomadas de Uso Geral (TUG) e Tomadas de Uso Específico (TUE)

Iluminação

Em cada cômodo ou dependência deve ser previsto pelo menos um ponto de luz fixo no teto, comandado por interruptor.

NOTAS:

  1. Nas acomodações de hotéis, motéis e similares pode-se substituir o ponto de luz fixo no teto por tomada de corrente, com potência mínima de 100 VA, comandada por interruptor de parede.
  2. Admite-se que o ponto de luz fixo no teto seja substituído por ponto na parede em espaços sob escadas, depósitos, despensas, lavabos e varandas, desde que de pequenas dimensões e onde a colocação do ponto no teto seja de difícil execução ou não conveniente.
  3. Sobre interruptores para uso doméstico e análogo, ver ABNT NBR 6527.
    Na determinação das cargas de iluminação, como alternativa à aplicação da ABNT NBR 5413 (“Iluminância de interiores”), conforme prescrito na alínea a) de 4.2.1.2.2 [ (“Iluminação: a) as cargas de iluminação devem ser determinadas como resultado da aplicação da ABNT NBR 5413; b) para os aparelhos fixos de iluminação a descarga, a potência nominal a ser considerada deve incluir a potência das lâmpadas, as perdas e o fator de potência dos equipamentos auxiliares. NOTA Em 9.5.2.1 são fixados critérios mínimos para pontos de iluminação em locais de habitação.”)], pode ser adotado o seguinte critério:
    a) em cômodos ou dependências com área igual ou inferior a 6 m2, deve ser prevista uma carga mínima de 100 VA;
    b) em cômodo ou dependências com área superior a 6 m2, deve ser prevista uma carga mínima de 100 VA para os primeiros 6 m2, acrescida de 60 VA para cada aumento de 4 m2 inteiros.
    NOTA: Os valores apurados correspondem à potência destinada a iluminação para efeito de dimensionamento dos circuitos, e não necessariamente à potência nominal das lâmpadas.
    Pontos de tomada
    Número de pontos de tomada
    O número de pontos de tomada deve ser determinado em função da destinação do local e dos equipamentos elétricos que podem ser aí utilizados, observando-se no mínimo os seguintes critérios:
    a) em banheiros, deve ser previsto pelo menos um ponto de tomada, próximo ao lavatório, atendidas as restrições de 9.1 (“Locais contendo banheira ou chuveiro”);
    b) em cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, cozinha-área de serviço, lavanderias e locais análogos, deve ser previsto no mínimo um ponto de tomada para cada 3,5 m, ou fração, de perímetro, sendo que acima da bancada da pia devem ser previstas no mínimo duas tomadas de corrente, no mesmo ponto ou em pontos distintos;
    c) em varandas, deve ser previsto pelo menos um ponto de tomada;
    NOTA: Admite-se que o ponto de tomada não seja instalado na própria varanda, mas próximo ao seu acesso, quando a varanda, por razões construtivas, não comportar o ponto de tomada, quando sua área for inferior a 2 m2 ou, ainda, quando sua profundidade for inferior a 0,80 m.
    d) em salas e dormitórios devem ser previstos pelo menos um ponto de tomada para cada 5 m, ou fração, de perímetro, devendo esses pontos ser espaçados tão uniformemente quanto possível;
    NOTA: Particularmente no caso de salas de estar, deve-se atentar para a possibilidade de que um ponto de tomada venha a ser usado para alimentação de mais de um equipamento, sendo recomendável equipá-lo, portanto, com a quantidade de tomadas julgada adequada.
    e) em cada um dos demais cômodos e dependências de habitação devem ser previstos pelo menos:
    – Um ponto de tomada, se a área do cômodo ou dependência for igual ou inferior a 2,25 m2. Admite-se que esse ponto seja posicionado externamente ao cômodo ou dependência, a até 0,80 m no máximo de sua porta de acesso;
    – Um ponto de tomada, se a área do cômodo ou dependência for superior a 2,25 m2 e igual ou inferior a 6 m2;
    – Um ponto de tomada para cada 5 m, ou fração, de perímetro, se a área do cômodo ou dependência for superior a 6 m2, devendo esses pontos ser espaçados tão uniformemente quanto possível.

Potências atribuíveis aos pontos de tomada

A potência a ser atribuída a cada ponto de tomada é função dos equipamentos que ele poderá vir a alimentar e não deve ser inferior aos seguintes valores mínimos:
a) em banheiros, cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e locais análogos, no mínimo 600 VA por ponto de tomada, até três pontos, e 100 VA por ponto para os excedentes, considerando-se cada um desses ambientes separadamente. Quando o total de tomadas no conjunto desses ambientes for superior a seis pontos, admite-se que o critério de atribuição de potências seja de no mínimo 600 VA por ponto de tomada, até dois pontos, e 100 VA por ponto para os excedentes, sempre considerando cada um dos ambientes separadamente;
b) nos demais cômodos ou dependências, no mínimo 100 VA por ponto de tomada.

Aquecimento elétrico de água

A conexão do aquecedor elétrico de água ao ponto de utilização deve ser direta, sem uso de tomada de corrente.
Divisão da instalação
Todo ponto de utilização previsto para alimentar, de modo exclusivo ou virtualmente dedicado, equipamento com corrente nominal superior a 10 A deve constituir um circuito independente.
Os pontos de tomada de cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e locais análogos devem ser atendidos por circuitos exclusivamente destinados à alimentação de tomadas desses locais.
Em locais de habitação, admite-se, como exceção à regra geral de 4.2.5.5(“Os circuitos terminais devem ser individualizados pela função dos equipamentos de utilização que alimentam. Em particular, devem ser previstos circuitos terminais distintos para pontos de iluminação e para pontos de tomada. NOTA Para locais de habitação, ver também 9.5.3.”), que pontos de tomada, exceto aqueles indicados em 9.5.3.2 (“Os pontos de tomada de cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e locais análogos devem ser atendidos por circuitos exclusivamente destinados à alimentação de tomadas desses locais.”), e pontos de iluminação possam ser alimentados por circuito comum, desde que as seguintes condições sejam simultaneamente atendidas:
a) a corrente de projeto (IB) do circuito comum (iluminação mais tomadas) não deve ser superior a 16A;
b) os pontos de iluminação não sejam alimentados, em sua totalidade, por um só circuito, caso esse circuito seja comum (iluminação mais tomadas); e
c) os pontos de tomadas, já excluídos os indicados em 9.5.3.2, não sejam alimentados, em sua totalidade, por um só circuito, caso esse circuito seja comum (iluminação mais tomadas).

Potência de alimentação de iluminação e tomadas (PA)

Obter a potência de alimentação significa obter a potência a ser utilizada para o dimensionamento do alimentador da nossa instalação elétrica (cabo que liga a entrada, medidor, até o quadro de distribuição). Essa potência é obtida por:
PA = (PILUMINAÇÃO + PTUG) * g + PTUE
Onde:
PILUMINAÇÃO = SILUMINAÇÃO * FPILUMINAÇÃO
PTUG = STUG * FPTUG
PTUE = STUE * FPTUE
Sendo:
PA = Potência de alimentação (Watts)
PILUMINAÇÃO = potência ativa dos pontos de iluminação (Watts)
FPILUMINAÇÃO = fator de potência do sistema de iluminação
SILUMINAÇÃO = potência aparente dos pontos de iluminação (VA)
PTUG = potência ativa das tomadas de uso geral (Watts)
STUG = potência aparente das tomadas de uso geral (VA)
FPTUG = fator de potência das tomadas de uso geral
PTUE = potência ativa das tomadas de uso específico (Watts)
FPTUE = fator de potência das tomadas de uso específico
STUE = potência aparente das tomadas de uso específico (VA)
g = fator de demanda conforme tabela abaixo
O fator de potência das tomadas de use geral (TUG) usual é 0,8 indutivo e para as tomadas de uso específico será usado o fator de potência típico para o tipo de aparelho usado. Para iluminação a NBR 5410-2004 cita usar fp = 1,00 ou usar a tabela abaixo.
Tipo de Lâmpada
Fator de potência típico
Incandescente
1,0
Vapor de sódio de baixa pressão
0,7 a 0,8
Vapor de sódio de alta pressão
0,90
Fluorescente
0,54 a 0,83
Vapor de mercúrio
0,87 a 0,95
Iodeto metálico
0,90 a 0,95
LED
0,7 a 0,92

O fator de demanda “g” é obtido pela tabela a seguir:
Potência (kW)

Fator de demanda “g” (%)

0<P≤1
86
1<P≤2
75
2<P≤3
66
3<P≤4
59
4<P≤5
52
5<P≤6
45
6<P≤7
40
7<P≤8
35
8<P≤9
31
9<P≤10
27
P>10
24